Enem: entenda o sistema de pontuação

O Ministério da Educação (MEC) divulgou, na tarde desta terça-feira (25), o gabarito oficial da edição 2011 do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), realizado neste sábado (22) e domingo (23).
Cerca de 4 milhões de pessoas fizeram as provas do Enem. No total, mais de 5,3 milhões de estudantes se inscreveram no exame, mas a abstenção média, segundo o MEC, foi de 26,4%, o que representa mais de 1,4 milhão de candidatos. Segundo o edital do Enem, o resultado individual das provas, que inclui a correção e nota da redação, será divulgado em 4 de janeiro de 2012.
Entenda o sistema de pontuação do Enem
O Enem usa um sistema de pontuação diferente dos vestibulares. A correção é feita com base na Teoria da Resposta ao Item (TRI), na qual cada questão tem um valor específico de acordo com seu grau de dificuldade. Isto significa que dois candidatos que tenham acertado o mesmo número de questões do Enem não terão necessariamente a mesma pontuação.
O Enem é composto por quatro provas objetivas (ciências humanas, ciências da natureza,  matemática e linguagens), cada uma com 45 questões cada, e mais uma redação.
Segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), que organiza o Enem, a TRI reduz as chances de acerto por “chute” das respostas do Enem. Na TRI, o foco é no item, como é chamada cada questão, e não no total de acertos. Aluno que mostra padrão de resposta médio ao longo da prova, se acerta uma questão de padrão mais difícil pode aparecer uma resposta aleatória.
A TRI é o conjunto de modelos que relacionam uma ou mais habilidades com a probabilidade de a pessoa acertar a resposta. Cada item/questão é construído um modelo representado por três parâmetros: a discriminação (que ajuda a diferenciar a habilidade dos alunos), o grau de dificuldade e o acerto casual. Já o vestibular, como da Fuvest, por exemplo, utiliza a Teoria Clássica dos Testes (TCT). Quem acertar mais perguntas, soma mais pontos.
De acordo o sistema usado pelo Inep para cada item/questão é construído um modelo representado por três parâmetros: a discriminação (que ajuda a diferenciar a habilidade dos alunos), o grau de dificuldade e o acerto casual.
Prova bem feita e cansativa

 Os professores ouvidos pelo G1 consideraram que as provas de ciências da natureza e de ciências humanas, aplicadas no primeiro dia do Enem, no sábado (22), mostrou uma evolução em relação aos anos anteriores. Eles destacaram que as provas de ciências da natureza e de ciências humanas
apresentaram temas relevantes e cobrou mais conteúdo em relação a 2010.

O segundo dia foi considerado cansativo para os estudantes. O exame reuniu 90 questões de linguagens, códigos e suas tecnologias, matemática e suas tecnologias, além da redação.
O tema da redação – “viver em rede no século 21: os limites entre o público e o privado” – permitiu que o aluno pudesse trabalhar em profundidade  com a argumentação. Não existe nada fácil quando se fala de elaboração de ideias, mas o tema é muito próximo do aluno e isso pode ter facilitado o processo.
De  modo geral a prova estava bem elaborada, porém em literatura,  professores reclamaram
que a banca se limitou a autores recentes. Em português, o maior problema para os candidatos foi o tempo. Três minutos foram insuficientes para responder cada questão.
A prova de matemática trouxe muitas questões com gráficos e tabelas para buscar dos alunos a interpretação das imagens apresentadas. Também foram abordadas questões de geometria plana e geometria espacial.
As questões mais fáceis da prova de matemática são as relacionadas à conversão de medidas (como, por exemplo, a pergunta sobre o carro em miniatura e a mecânica do pistão), além da questão sobre o guarda-chuva, que pedia apenas o nome da figura geométrica do cone. Errar essas questões simples compromete o resultado final, por causa do sistema de correção do Enem.
Fonte: G1

7 mensagens

  1. Daniel Sales /

    Realmente. A prova de domingo, teria que ser feita em pelo menos umas seis horas… Sugiro que no próximo ano hajam dois dias sim, mas com intervalos… Sem exagero… Por exemplo: inicia 9:00 e vai até as 12:00. Intervalo de 12:00 as 14:00 e termina as 17:00. Tem aluno que quer “sugar” até o último tempo para chegar mais próximo ao acerto. Outros, por puro cansaço, começa a chutar quando já não tem mais condições de raciocinar e/ou o tempo se esvai.

  2. Nárggilla /

    Adorei esse artigo!
    Ouvi falar sobre isso mas não estava entendendo bem, nas agora ficou tudo mais claro. Acho esse método muito bom do Enem, conheço pessoas que acertaram muitas questões no chute, eu acho que tem que estar na faculdade quem sabe e não quem chuta, pois, do que vale todo o preparatório se o que contasse fosse apenas o chute!
    Valeu mais uma vez pela informação e pela preparação que tive ai. Parabéns ao fismat pelo ensino, várias vezes na prova estava respondendo e lembrando do que os professores falavam,todas as dicas estavam lá!
    Obrigada!!!!

  3. Excelente matéria, estava procurando os sistema de pontuação para minha filha que fará a prova do ENEM no ano de 2012 e agora entendi a sistemática. Obrigado.

  4. Alexandre /

    Se eu entendi direito, então não concordo com o sistema de pontuação. Uma pessoa ter um desempenho médio e de repente acertar uma questão difícil não significa que tenha sido um chute ou coisa do tipo. Algumas pessoas simplesmente ‘pensam diferente’, e se dão melhor com assuntos ou tipos de questões que outros têm mais dificuldade. Alguns estudantes, também, acabam estudando mais certos assuntos que outros, e sobre esses assuntos estudados podem cair as questões mais difíceis. Por consequência, o sistema denuncia o acerto como um chute aleatório. Parece um sistema extremamente suscetível a injustiças. Fora isso, embora eu considere bem feitas as questões do ENEM, uma prova tão extensa prioriza a resistência psicológica ao conhecimento do estudante, o que não acredito que seja a intenção do exame.

  5. não tem condições de analisar todas as questão de português, dedicando apenas três minutos pra cada!
    eles deveriam rever isso.

  6. Alexandre concordo contigo, o que define que uma questao mais facil?, eu mesmo costumo responder matematica por funcoes, tenho mais dificuldades em polinomio. E se pelo tempo escasso eu preferir responder as questoes de funcoes e nao a de polinomio?! Estaria chutando?
    Objetivo de penalizar o candidato que chuta e aceito· a forma de mensuracao esta errada.

Deixe uma mensagem



* Campo obrigatório